Avança projeto que torna o município de Cruzeiro a “Capital de São Paulo” por um dia!

Projeto da deputada Leticia Aguiar autoriza a transferência simbólica da capital do Estado para Cruzeiro nas comemorações do 9 de julho

0
92
Cruzeiro Capital do Estado

O Projeto de Lei 222/2022, de autoria da deputada estadual Leticia Aguiar, autoriza a transferência simbólica da capital do Estado de São Paulo para o município de Cruzeiro, na data de comemoração da outorga do título honorífico de “Capital da Revolução Constitucionalista de 1932”.

O projeto foi aprovado pela Comissão de Assuntos Metropolitanos e Municipais, e agora irá para a Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento da Assembleia Legislativa de São Paulo.

Com pouco mais de 80 mil habitantes, Cruzeiro é uma das localidades mais importantes para a história do Estado de São Paulo. A Lei Estadual nº 9.497/1997 institui o 9 de Julho como data magna paulista – Cruzeiro, por sua vez, é reconhecida como Capital Estadual da Revolução Constitucionalista, nos termos da Lei nº 13.203/2008.

Se a Revolução Constitucionalista ocupa espaço de destaque na memória coletiva da população paulista, a lembrança dos meses de conflito é ainda mais viva entre os habitantes de Cruzeiro. A localização geográfica garantiu ao local um posicionamento estratégico durante os meses de guerra em 1932.

Cruzeiro poderá ser a “Capital de São Paulo” em 9 de Julho!

Cruzeiro Capital do estado e novoCaminho do Ouro Paulista

A deputada estadual Leticia Aguiar (Progressistas) apresentou projeto de Lei nº 222/2022, que autoriza a transferência simbólica da capital do Estado de São Paulo para o Município de Cruzeiro, na data de comemoração da outorga do título honorífico de “Capital da Revolução Constitucionalista de 1932”.

Cruzeiro, cidade do Vale Histórico, é reconhecida oficialmente como “Capital da Revolução Constitucionalista de 1932”, em virtude de fatos historicamente importantes deste conflito terem ocorrido em seu território, notadamente no “Grande Túnel da Mantiqueira”, palco dos mais ferrenhos combates da “Guerra Paulista”, sendo a localidade mais lembrada por ex-combatentes e historiadores no que se refere à “Revolução de 1932”.

A parlamentar foi procurada pelos Senhores Sérgio Henrique Elache Ribeiro Duarte e Fabiano José Santos Lourenço, que sugeriram resgatar a história de Cruzeiro e ligar a nomenclatura a esta importante data para o povo paulista.

“Entendo que se aprovada a lei propiciará o resgate, a preservação e a valorização da história ocorrida em Cruzeiro, enaltecendo a memória de todos os ex-combatentes e familiares que participaram direta ou indiretamente do conflito”, declarou Leticia Aguiar.

Posição estratégica

Cruzeiro está coração do Vale do Paraíba, ao lado da divisa paulista com Minas Gerais e próximo à divisa entre São Paulo e Rio de Janeiro. Wesley Santana, professor do Centro de Educação, Filosofia e Teologia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, assinala que, além de rica e geograficamente crítica, a região tinha suma importância em termos de estratégia militar.

“O Vale do Paraíba é uma área tradicional da produção de café. (…) É uma região próxima ao Rio de Janeiro, que era a capital federal. É uma região montanhosa, e há estratégias militares de várias vertentes para lidar com o relevo”, destaca Santana.

Paulistas e mineiros

Entre as histórias sobre o conflito passadas de geração em geração, um espaço se repete: Túnel da Mantiqueira. Trata-se de uma conexão ferroviária, até hoje operante, entre Cruzeiro, São Paulo, e Passa Quatro, em Minas Gerais. Durante os quatro meses de embate entre tropas paulistas e federais, foi um dos palcos mais violentos da guerra.

Ainda mais porque, à eclosão da revolta, os constitucionalistas esperavam por um apoio de Minas Gerais que acabou não se confirmando. “Os paulistas se sentiam traídos pelos mineiros”, diz Santana, que pontua ainda sobre o disparate entre o poderio militar de cada um dos lados envolvidos no embate.

O professor relembra uma história do pai de seu sogro, que esteve no front do Túnel da Mantiqueira. “Eles, os paulistas, completamente desarmados, e os mineiros com apoio do governo federal. Ele usava uma matraca para enganar os mineiros, para as tropas federais acharem que tinha uma metralhadora”, afirma Wesley.

O nome Cruzeiro

A origem do nome do município é difusa. Diz-se que, naquelas terras, mais especificamente no alto da serra, havia um marco em formato de cruz que assinalava a divisa entre as províncias de São Paulo e Minas Gerais.

Alfabetização de crianças em SP será avaliada em tempo real

COMENTÁRIOS:

Por favor coloque seu comentário!
Por favor entre seu nome aqui