São Paulo registra queda de 45% de homicídios na última década

Também caíram casos de vítimas de latrocínios, de ocorrências de roubos a banco e de carga, além de roubos e furtos de veículos

0
196

O Governo de São Paulo apresentou nesta sexta-feira (27) os índices de criminalidade do mês de agosto e o resultado mostrou queda de 9,38% nos casos de homicídio dolosos no Estado (que passaram de 224 para 203), quando comparado com o mesmo período de 2018. O percentual mostra queda de 45% nesse tipo de crime na última década.

O número de vítimas deste crime também apresentou queda de 9,87%, com 23 vidas poupadas se comparado a agosto de 2018. Os totais são os menores da série histórica, iniciada em 2001. Com as variações, as taxas dos últimos 12 meses (de setembro de 2018 a agosto de 2019) caíram para 6,25 casos e 6,57 vítimas de homicídios dolosos a cada grupo de 100 mil habitantes do Estado. Os índices são os menores já contabilizados pela série história.

“Esta é a menor taxa de homicídios da história de São Paulo e do Brasil, que foi alcançado agora com 6,25 homicídios por 100 mil habitantes. É um número histórico na vida do país. É um índice usado pela ONU para se avaliar o índice de segurança em regiões em todo o mundo”, disse o Governador.

Os latrocínios também reduziram na comparação mensal. Os casos caíram mais que a metade, passando de 23 para 10 ocorrências registradas no mês passado. A quantidade de vítimas passou de 23 para 11. Os índices são os menores da série.

“São Paulo tem uma polícia de respeito e continuará a ter. Este índice é resultado de uma boa política de segurança. O nosso objetivo é reduzir ainda mais este índice e aumentar a sensação de segurança”, afirmou o Governador.

Roubos e furtos

No oitavo mês de 2019, o Estado de São Paulo registrou queda nos roubos e furtos de veículo. Os roubos de veículo recuaram 26,3%, de 4.822 para 3.554. Em números absolutos foram 1.268 casos a menos, o menor total da série.

Os furtos de veículos também diminuíram 7,67% em agosto. A quantidade passou de 8.561 para 7.904, ou seja, 657 a menos. É a primeira vez que o indicador fica abaixo de 8 mil ocorrências no período.

Os roubos de carga registraram queda de 20,86%, de 748 para 592. A redução se estendeu para os roubos a banco que passaram de cinco para um, atingindo o menor total contabilizado pela série. Os furtos em geral tiveram queda de 0,91% no período, já que 42.936 ocorrências foram contabilizadas.

Capital reduz homicídios e latrocínios

A capital paulista terminou o mês de agosto com redução nos casos e vítimas de homicídios e latrocínios. As mortes intencionais recuaram 23,08%, passando de 52 para 40, se comparado o oitavo mês de 2018 com o mês passado. O total de vítimas deste crime reduziu 26,32% (de 57 para 42). Os números são os menores registrados pela série histórica, iniciada em 2001.

Com as reduções, as taxas dos últimos 12 meses (de setembro de 2018 a agosto de 2019) ficaram em 5,42 casos e 5,77 vítimas para cada grupo de 100 mil habitantes. São as menores para o período já registradas na série histórica. Os casos de latrocínios caíram de cinco para três na Capital, em agosto deste ano. O indicador de vítimas de roubos seguidos de morte reduziu de cinco para quatro. As quantidades são as menores da série histórica do período.

Outros indicadores

O trabalho realizado pelas polícias Militar, Civil e Técnico-Científica no mês de agosto deste ano resultou em 17.576 prisões. A quantidade, que representa aumento de 1,06%, é recorde para o período. No mês, 1.034 armas de fogos foram retiradas das ruas e 4.172 flagrantes de tráfico de drogas foram registrados.

“Tivemos uma elevada produção policial, com apreensões de armas, particularmente com a apreensão, pela primeira vez, de 168 fuzis. É um ativo que nós retiramos da criminalidade e protegendo cada vez mais a população paulista. Um número recorde de presos e apreendidos, quase 160 mil. Uma quantidade considerável de drogas apreendidas, quase 120 toneladas”, disse o Secretário da Segurança Pública, General João Camilo Pires de Campos, em relação ao acumulado dos oito primeiros meses do ano.

VEJA TAMBÉM:

COMENTÁRIOS:

Por favor coloque seu comentário!
Por favor entre seu nome aqui