UNICEF afirma que pornografia nem sempre é prejudicial para as crianças

Após publicar relatório que concluiu que a "pornografia nem sempre pode ser prejudicial às crianças", entidade removeu de seu site

0
497
Unicef

O UNICEF retirou um relatório polêmico de seu site e, quando reapareceu alguns dias depois, foi cuidadosamente editado. O relatório afirmou que as crianças não são afetadas pela visualização de material sexualmente explícito.

O recente relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) “Ferramentas de garantia da idade digital e direitos das crianças online” concluiu que a pornografia nem sempre pode ser prejudicial às crianças. O relatório sugere que as crianças podem ter acesso a material sexualmente explícito de acordo com sua idade e maturidade, e que as crianças têm o direito humano de acessar pornografia online e por meio de educação sexual.

Pouco depois do Friday Fax reportar esta semana passada, o UNICEF removeu o relatório de seu site, apenas para republicar um relatório estrategicamente editado que exclui declarações importantes citadas no Friday Fax, mas mantém as mesmas posições do relatório original.

O porta-voz da UNICEF, Najwa Mekki, disse ao Friday Fax: “A posição da UNICEF é inequívoca: nenhuma criança deve ser exposta a conteúdo nocivo online”. Mas Mekki não quis comentar se o UNICEF acredita que a pornografia é prejudicial às crianças.

O UNICEF também se recusou a comentar as circunstâncias que levaram à remoção do relatório de seu site.

Christine Gleichert, Administradora Adjunta de Relações Públicas da USAID, disse ao Friday Fax: “A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) leva muito a sério as questões de segurança na internet e proteção de crianças contra conteúdo prejudicial na internet, incluindo pornografia.” A USAID é o maior contribuidor financeiro individual do UNICEF.

A resposta do UNICEF à USAID foi “que é a posição inequívoca da organização de que nenhuma criança deve ser exposta a conteúdo nocivo online”, novamente não deixando claro que a pornografia pode ser prejudicial para as crianças.

O relatório da UNICEF sugere que as crianças não são prejudicadas ao ver material sexualmente explícito. A conclusão é baseada em um estudo recente da UE que pesquisou os hábitos online de crianças e descobriu que algumas delas se sentiam felizes depois de ver imagens sexualmente explícitas.

O relatório da UNICEF afirma ainda que nem todo conteúdo sexualmente explícito se qualifica como “pornografia”. O relatório propõe uma escala graduada para ajudar a classificar qual pornografia seria adequada para crianças de “diferentes faixas etárias verem”.

O relatório da UNICEF propõe que “diferenças no nível de maturidade de cada criança e nas capacidades em evolução. . . entraria em jogo ”ao criar um“ sistema de classificação etária ”para regular o acesso das crianças a conteúdo sexualmente explícito.

O objetivo da escala graduada, de acordo com o relatório, é ostensivamente impedir a violação do direito de uma criança de acesso a material sexualmente explícito, como informações sobre saúde sexual e reprodutiva, incluindo recursos para educação LGBTQ.

O relatório da UNICEF admite que algumas pesquisas demonstram que o acesso à pornografia em uma idade jovem está ligado a certos “resultados negativos”, mas que “as evidências sugerem que a exposição das crianças a um certo grau de risco … as ajuda a construir resiliência.”

O relatório sugere que determinar o que é prejudicial às crianças requer um equilíbrio cuidadoso entre seu direito “de ser protegido online contra a exploração e o abuso sexual e contra a violência” e “seus direitos à privacidade, liberdade de expressão,. . . e acesso à informação. ”

COMENTÁRIOS:

Por favor coloque seu comentário!
Por favor entre seu nome aqui