Viagra: Porquê e para que as Forças Armadas usam estes comprimidos

Medicamento licitado é recomendado pela Anvisa para o tratamento de Hipertensão Arterial Pulmonar e doença de Raynaud

0
369
Viagra

Uma nova polêmica envolvendo o governo do Presidente Bolsonaro tomou conta das redes sociais e o VIAGRA virou Trend Topics, mas afinal qual a relação entre o remédio mundialmente conhecido para disfunção erétil e o Governo Bolsonaro?

Veículos de imprensa publicaram em 11 de abril, uma matéria sobre os gastos do Ministério da Defesa com o medicamento, em especial após denúncia compilada e divulgada nas redes sociais pelo deputado Elias Vaz (PSB-GO). Dados do portal da Transparência e do painel de preços do governo apontam que as Forças aprovaram pregões –modalidade de licitação criada pela lei 10.520 de 2002– para comprar 35.320 comprimidos de citrato de sildenafila, conhecido como Viagra.

Com base na “fama” do medicamento a imprensa mais uma vez se precipitou em julgar a Marinha o Exército e a Aeronáutica sobre o uso dos comprimidos pelos militares, jornais de todo o Brasil reproduziram a manchete , e os jornalistas nem se deram ao trabalho de pesquisar um pouco mais sobre o tema.

O objetivo real era atingir o ex-Ministro da Defesa General Braga Neto, escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro como possível vice-presidente em sua pré-candidatura a reeleição. Não é a primeira vez que a imprensa faz um julgamento precipitado sobre as compras feitas pelo Ministério da Defesa, em 2020 estranhou as compras em leite condensado utilizado como alimento em tropas de todo o mundo (saiba mais aqui).

A tentativa de encontrar irregularidades na compra beirou o ridículo, já que a justificativa das Forças Armadas está na própria bula do medicamento.

Nos processos de compra, o medicamento aparece com o nome genérico Sildenafila, nas dosagens de 25 mg e 50 mg. A maior parte dos medicamentos é destinado à Marinha, com 28.320 comprimidos; mas o Exército (5 mil comprimidos) e a Aeronáutica (2 mil comprimidos) também são atendidos.

As Forças Armadas: Marinha, Exército e Aeronáutica e o próprio Ministério da Defesa já informaram qual o motivo da compra do Sildenafila (Viagra) publicando notas oficiais sobre o caso:

“Entre os usos atualmente aprovados da sildenafila estão principalmente o tratamento para hipertensão arterial pulmonar e para melhor controle do fenômeno de raynaud numa doença grave denominada esclerose sistêmica, o que endossa e motiva a aquisição para utilização do aludido medicamento especialmente no âmbito hospitalar. A utilização para o tratamento da disfunção erétil não se encontra priorizada nesse tipo de aquisição”, informaram as notas.

Ciagra e Hipertensão Pulmonar

O Exército ainda acrescentou que: “A respeito especificamente da Sildenafila, cabe esclarecer que o medicamento é utilizado no Exército para o tratamento de hipertensão pulmonar (elevação da pressão arterial nas artérias dos pulmões) em ambiente hospitalar. Assim, é previsto que os hospitais, principalmente aqueles que possuam Unidades de Terapia Intensiva / Unidade Coronariana, tenham atas de Sistema de Registro de Preços (SRP) com o referido medicamento, cujas quantidades são previstas para um ano (data de vigência de uma ata de medicamentos)”.

No fenômeno de raynaud, o fornecimento de sangue é afetado em determinadas áreas do corpo, geralmente as extremidades (dedos das mãos, pé, orelhas e ponta do nariz), que ficam dormentes e geladas.

Para que as Forças Armadas precisam oferecer este tratamento ?

Além de custar mais barato, e das “doenças” já explicadas acima é importante lembrar que os militares por suas funções e características estão expostos a situações em serviço que podem levá-los a desenvolver os sintomas de hipertensão pulmonar e do fenômeno de raynaud.

A causa única mais importante de hipertensão pulmonar em pacientes é o estreitamento (constrição) das artérias pulmonares que ocorre como resultado de baixos níveis de oxigênio no sangue. Entre os quadros clínicos que diminuem os níveis de oxigênio no sangue, estão habitar ou visitar por um longo período lugares que estão em altitudes elevadas, também podem causar hipertensão pulmonar. Situação em que normalmente militares do Exército se encontram ou até mesmo pilotos da aeronáutica.

O mesmo pode acontecer com mergulhadores por problemas de descompressão ou ainda marinheiros de submarinos.

Mas afinal para que serve o Viagra?

O Pneumologista da Faculdade de Medicina do ABC, Franco Martins explica que o sildenafil (viagra) foi descoberto justamente para o tratamento de crianças com hipertensão arterial pulmonar. Com o tempo, o medicamento começou a ser usado em adultos e, durante os estudos clínicos, pacientes apontaram a ereção como um evento adverso.

“Isso ainda na década de 90. Com essas informações, passou-se a seguir a linha de pesquisa para tratar disfunção erétil”, explicou o médico. De acordo com ele, atualmente existem medicamentos mais modernos para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar, considerada uma doença rara, mas que até hoje, na rede pública, usa-se muito o viagra por ser um remédio mais barato.

Viagra na Antártida

A afirmação é unânime entre os 600 cientistas, militares e pesquisadores brasileiros que participam anualmente de missões científicas ao continente mais gelado do planeta, onde a temperatura já ultrapassou 90 graus abaixo de zero.

Não é para o que você está pensando, o motivo para o uso da Sildenafila (Viagra) na Antártida o motivo real é a síndrome de Raynaud ou fenômeno de Raynaud. A doença de Raynaud afeta o sistema circulatório, sendo considerada doença arterial periférica funcional.

Uma das causas principais é a exposição ao frio. Assim, pessoas que vivem em locais com temperatura mais amena ou que se expõem a temperaturas mais geladas (lavando louça com água fria ou manuseando gelo) podem apresentar a síndrome de Raynaud.

O fenômeno de Raynaud também acontece com pessoas que estão passando por um alto nível de estresse emocional, situação corriqueira entre nosso bravos marinheiros, porém sem o apoio logístico da Marinha do Brasil não haveria pesquisa científica na Antártida, como admitiu a Folha de São Paulo em matéria sobre a Missão Brasileira no Continente gelado.

Marinha do Brasil na Antártida Viagra

Então bastava o deputado Elias Vaz (PSB-GO), ter pesquisado um pouco mais sobre a indicação do medicamento, é função do parlamentar fiscalizar o Poder Executivo, bem como é função da imprensa noticiar os fatos, entretanto no caso do “Viagra nas Forças Armadas”, ambos erraram feio, mas nenhum deles vai se desculpar ou admitir o erro pelas críticas preconceituosas e infundadas contra o Ministério da Defesa e as Forças Armadas Brasileiras.
Mas assim como no Leite Condensado os fabricantes agradeceram a publicidade gratuita, com certeza os fabricantes do Viagra e seus similares como o Citrato de Sildenafila estão felizes com a repercussão do caso e a divulgação de suas indicações medicamentosas.

COMENTÁRIOS:

Por favor coloque seu comentário!
Por favor entre seu nome aqui